Oração na Escuridão (Parte I)

Por: Sammy Tippit

Temos observado nos últimos anos uma crescente escuridão em algumas partes do mundo. No entanto, precisamos reconhecer que ela se alastra também aqui no Ocidente.

As trevas não habitam somente num deserto distante do Oriente Médio, mas estão se espalhando por toda a cultura ocidental como uma onda sísmica. Estou convencido de que o epicentro dessa escuridão encontra-se dentro da família. O colapso da unidade familiar deixou um vácuo moral e espiritual que pode ser encontrado em qualquer rua em que a fonte de energia espiritual foi interrompida, deixando muitas casas sem qualquer luz que mostre o caminho. Raiva, abuso e comportamentos abomináveis ameaçam inundar comunidades inteiras.
Talvez a maior escuridão que encara cada um de nós seja aquela que habita no coração do homem. A maioria de nós gostaria de dizer: “De fato, há muita escuridão no mundo; é chocante ver as trevas lá fora na rua”. No entanto, poucos estão dispostos a pedir a Deus que sonde as trevas no próprio coração e exponha as áreas escuras dentro de si mesmos. Davi, um líder que foi descrito como “um homem segundo o coração de Deus”, disse uma vez: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” (Sl 139.23-24).

O poder da oração autêntica

É esse tipo de oração profundamente íntima que carrega o poder para expor e expulsar as trevas. Esta não é a primeira vez em que a história tem evidenciado trevas tão densas. Houve uma era inteira denominada Idade das Trevas. No entanto, a luz de Deus sempre brilhou nos momentos mais sombrios. Os historiadores costumam se referir a esses tempos de luz nas trevas como Grandes Despertamentos.
Fortes movimentos de oração precederam todo grande avivamento histórico e bíblico. O despertamento espiritual sempre desce dos céus nas asas de um grupinho de homens e mulheres que oram. Enquanto a escuridão cobre uma comunidade, alguém recebe um forte encargo de oração e começa a buscar intensamente a face de Deus. O Espírito Santo responde a tal clamor e ilumina corações, comunidades e, até mesmo, nações inteiras. Enquanto pessoas cheias de luz começam a se multiplicar na comunidade, a escuridão é dissipada automaticamente. O avivamento vem e comunidades são despertadas e vidas transformadas. Deus se move com grande poder.
Eu aprendi que não existe um lugar difícil demais para Deus. Nada é impossível para aquele que é especialista em dispersar as trevas. Ele poderia eliminar toda a escuridão em um milissegundo. No entanto, ele escolheu trabalhar por intermédio de pessoas que sejam humildes, santas e intercessoras. Deus está à procura de pessoas que o busquem. Não importa se as trevas estão aqui perto da nossa rua, em outro país ou no fundo do coração. A luz de Deus dissipa qualquer escuridão.

A oração que dissipa as trevas

A oração é universal e pode ser encontrada, de alguma maneira, em todas as culturas. No entanto, o tipo de oração a que me refiro não é uma forma específica de oração. Não seria nem classificada como oração religiosa, pois é, antes de tudo, uma comunicação íntima e pessoal com Deus.
A oração não é um dever religioso, mas sim um encontro divino. Não é uma tentativa de chegar até Deus, mas um caminhar pela fé até sua santa presença. É uma alegria inexplicável – intimidade com o Criador. Nós o amamos porque ele nos amou primeiro.
Muitos cristãos não oram porque acham que é uma obrigação religiosa e não percebem que é uma relação de graça. Sentem que requer muito esforço, quando, na verdade, deveria ser agradável e espontâneo. Jesus nos proveu perdão quando morreu na cruz e, agora, nos foi concedido acesso à presença daquele é pureza absoluta. Fomos capacitados a entrar num relacionamento profundo e íntimo com um Deus santo. Quando entendi essa verdade, tudo mudou. A oração deixou de representar um trabalho penoso a ser temido e tornou-se um prazer divino.
Quando entendemos que entramos em sua presença pela graça, sentimos grande desejo de louvá-lo pelo que ele é e agradecê-lo por tudo que tem feito. É isso que nos leva à verdadeira adoração. Quando a oração é gerada por seu amor perfeito e não por nossa obrigação humana, somos libertos do medo. Não tememos a luz divina que vem sondar nosso coração. Sabemos que os seus desejos são sempre bons. Permitimos que essa luz brilhe em qualquer área de nossa vida, porque sabemos que sua bondade sempre gera o que é melhor para nós. Embora saibamos que as trevas do nosso coração serão expostas, reconhecemos que seu plano é perfeito. É esse tipo de oração íntima que inaugura o alvorecer de uma nova era.


Extraído e condensado de “Light In The Darkness” (Luz na Escuridão) por Sammy Tippit. Copyright © 2015 por Sammy Tippit. Utilizado com permissão. Para obter mais informações sobre livros de Sammy Tippit, visite www.sammytippitbooks.com.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esta Foi a Sua Vida?


Todos Contra a Pedofilia

Bandeira do Brasil

Tempo

Tempo