Onde Estão as Lágrimas para O Avivamento? (Parte I)

Por: Al Whittinghill
 
“Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham.” (Salmo 126.1).
Na passagem acima, lemos que o povo de Deus estava em cativeiro. Não diz que tipo de cativeiro era, mas sabemos que o povo de Deus não deveria estar em prisão de espécie alguma. Depois o salmista diz que quando Deus libertou do cativeiro, as nações notaram e disseram: “Grandes coisas fez o Senhor a estes”, e ainda confirma dizendo: “Grandes coisas fez o Senhor por nós, e, por isso, estamos alegres. Faze-nos regressar outra vez do cativeiro, Senhor,” como naquele tempo, “como as correntes do Sul.”
A palavra “correntes” aqui significa “torrentes”, e o Sul, ou Neguebe, é o deserto inóspito que fica ao sul de Jerusalém, perto de Masada. Quando estive neste local, perguntei ao guia sobre este salmo. Ele me mostrou um wadi, um leito de rio vazio, tão seco quanto um osso. Mas contou que esteve ali certa vez quando chovera em Jerusalém. De repente, torrentes de água inundaram este leito, torrentes que não se podiam conter ou nem quase explicar.
As correntes do despertamento de Deus são exatamente assim, quando vem repentinamente para restaurar nosso cativeiro. Enquanto estivermos em cativeiro, não há água alguma. A palavra “de repente” é um termo próprio de avivamento. Você pode estar num deserto espiritual. Sua vida está ressecada. Os pobres e necessitados clamam, mas não há água. Depois, repentinamente, quando as chuvas começam a cair, há uma inundação incontrolável da presença de Deus, que arrasta tudo que está à sua frente. Por todas as Escrituras, encontramos referências à vinda de águas como bênçãos, como a chuva e a chuva serôdia, tal como vemos nesta passagem nos Salmos.
Os versículos 5 e 6 do Salmo 126 são a chave para que nosso cativeiro seja revertido. “Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria.” A figura que vem à minha mente aqui é do povo de Deus num lugar privado, prostrados diante do Senhor. Estão semeando a palavra de Deus diante dele em oração e com lágrimas. Enquanto estão ali orando, Deus está quebrantando seus corações. Depois se levantam, e deixam o recinto de oração com a preciosa semente que Deus lhes deu. Ainda chorando, pregam esta palavra, e semeiam esta semente, e Deus afirma que sem dúvida voltarão com fruto. É o coração que a torna frutífera.
Onde Estão as Lágrimas?
Você já se perguntou para onde foram as lágrimas nas nossas assembléias e igrejas? As lágrimas representam o derramar da alma. Pode-se dizer que lágrimas são orações líquidas. Lágrimas são amor sem palavras. Não importa em que país estiver, ou em que cultura, ou com qual raça, as lágrimas sempre dizem a mesma coisa. São eloqüentes. Comunicam quando a linguagem não é capaz de fazê-lo, e mostram que o coração está envolvido.
O pregador vai ao púlpito com uma mensagem polida; seus gestos, sua homilética, e sua hermenêutica estão perfeitos, mas o sermão está mais seco que farinha. Depois, de repente, sua voz falha, e lágrimas começam a rolar pelas faces. Imediatamente o diácono acorda do sono, pois percebe que o coração do pregador está envolvido. As pessoas sabem, ao ver as lágrimas nos olhos, que estão encontrando algo verdadeiro.
Se nossos olhos estão secos, é porque nosso coração está desértico. É porque nosso cativeiro não foi revertido. Deus quer mudar nosso cativeiro. Não creio que a igreja terá uma mensagem ao coração do mundo enquanto o Senhor não conquistar o coração da igreja. Quando o Senhor possuir o coração da igreja, dará para ver a genuinidade disso através de lágrimas saídas do coração.
Jesus disse em João 7.38: “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”. Eu pensava que isto fosse algo verbal, que representasse a pregação da palavra, e ainda creio que a inclua. Mas se você seguir a expressão “rios de águas” pelas Escrituras, descobrirá que na maioria das vezes se refere a rios de águas que saem dos olhos. Assim o salmista diz em Salmo 119.136: “Torrentes de água nascem dos meus olhos, porque os homens não guardam a tua lei”.
Jeremias diz: “Provera a Deus a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos, em fonte de lágrimas! Então, choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo” (Jr 9:1).Todo o livro de Lamentações é sobre as lágrimas que as pessoas deviam derramar, e o choro que deviam expressar, por causa das crianças e do cativeiro do povo ao nosso redor...
Continua...
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esta Foi a Sua Vida?


Todos Contra a Pedofilia

Bandeira do Brasil

Tempo

Tempo