Cada cristão tem o seu preço? Qual é o seu?

Por André Sanchez

        Existem duas situações que já vi acontecer muito e que tem feito parte da vida de muitas pessoas:

        Na primeira situação, a pessoa está participando da igreja, mas no meio desta caminhada aparece uma contrariedade, uma adversidade, um problemão ou coisa parecida. Pronto! Já é motivo suficiente para se revoltar e sair da igreja. Ninguém mais serve naquela igreja. Deus não atua mais ali. O pastor e os “irmãos” viram monstros cheios de defeitos e por aí vai…
        A segunda situação é de uma pessoa que está no mundão vivendo a sua vidinha sem Deus. Num passe de mágica aparecem contrariedades, adversidades, problemas ou coisas parecidas. Pronto! “Só Deus pode me dar a bênção para resolver meus problemas. Vou procurar uma igreja, vou atrás do meu milagre.”
        As duas situações nos apontam um perfil de pessoas que estão dentro e fora das igrejas na atualidade: As pessoas interesseiras.
        O primeiro grupo está dentro da igreja esperando que Deus lhes dê coisas que eles querem, que satisfaça seus desejos e, principalmente, que Deus tire de suas vidas as dificuldades.
        O segundo grupo está fora da igreja, mas chegando até eles os problemas e as dificuldades que tem soluções difíceis, logo tentam grudar em Deus [e nos líderes milagreiros] na busca de soluções, de unções, de milagres [e mais nada].
        Alguns líderes tem colaborado grandemente com esse comportamento dos dois grupos, principalmente os que pregam a teologia da prosperidade. Teologia, que transforma problemas em maldições e Deus em empregado das pessoas. Prega a riqueza como sinal máximo da bênção de Deus e que as pessoas devem procurar líderes “poderosos” para, através deles, receber milagres e soluções.
        Ambas as posturas nos mostram que existe um preço que as pessoas cobram por dar a sua ilustre presença na igreja e diante de Deus: Uma vida sem problemas, sem preocupações, sem dificuldades, sem dor, orações sempre respondidas [e com um sim, é claro]… esse é o preço que Deus deve pagar a elas.
        Cada cristão tem o seu preço? Não, não os cristãos de verdade. Estes, crêem que estar na presença de Deus é o maior valor, e que Deus não tem obrigação de dar a eles nada em troca de sua fé e serviço. São servos e não cobradores.
        Você tem cobrado de Deus um preço para permanecer com Ele?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esta Foi a Sua Vida?


Todos Contra a Pedofilia

Bandeira do Brasil

Tempo

Tempo